No dia 19 de junho de 2017, o mundo foi abalado por uma das maiores tragédias da aviação no século XXI. O voo 90, operado por uma companhia aérea renomada, caiu logo após a decolagem, deixando nenhum sobrevivente entre os 200 passageiros e tripulantes a bordo.

As investigações indicaram que uma falha mecânica na aeronave teria sido a causa do acidente. A caixa preta do avião, encontrada posteriormente, forneceu importantes dados para a elucidação das causas da queda.

O acidente do voo 90 teve um impacto profundo na indústria da aviação e na sociedade em geral. Além dos custos humanos, o setor enfrentou grandes questionamentos quanto à segurança dos seus aviões e procedimentos de manutenção.

Como resultado, várias companhias aéreas lançaram revisões extensivas de suas frotas e processos de manutenção. Ações e medidas mais rigorosas foram implementadas para garantir maior segurança dos passageiros.

Também houve uma mudança na forma como as autoridades reguladoras desempenham suas funções, com uma maior ênfase na supervisão dos sistemas de gerenciamento de segurança das companhias aéreas.

No entanto, as consequências do acidente do voo 90 ainda são sentidas até hoje. As famílias das vítimas continuam a lutar para obter justiça e compensações adequadas, enquanto a indústria da aviação enfrenta um aumento nas demandas dos passageiros por mais transparência e efetividade na garantia da segurança dos voos.

Por mais de três anos, o mundo chorou as vítimas da tragédia do voo 90. Enquanto avançamos para o futuro, devemos continuar a aprender as lições dessa terrível experiência e trabalhar juntos para garantir que voos seguros e confiáveis sejam a norma, não a exceção.